JV FaceLinker

Links de nossos patrocinadores

Login



Bokomoko Pertenças Digitais
Quanto custa a minha moto ? PDF Imprimir E-mail
Escrito por Bokomoko   
Ter, 01 de Maio de 2012 12:57

Quanto custa a minha moto ?

Uma pergunta muito comum para quem vai comprar uma moto é: Será que eu tenho grana suficiente para sustentar a moto depois de comprá-la ? Será que essa moto cabe no meu bolso ? Essa dúvida pode ser esclarecida através da avaliação detalhada de todos os itens que compõe o custo de manutenção e propriedade da moto. Ou seja, quanto custa possuir e usar uma motocicleta.

Imagine uma situação extrema em que uma pessoa compra uma moto nunca a usa. A moto fica o tempo todo parada numa garagem. Mesmo sem gastar combustível, essa moto está gerando um custo para o proprietário. O custo de licenciamento (IPVA, DPVAT, etc), o custo do seguro, o custo da desvalorização ao longo do ano, o custo de manutenção mínima da moto (lavagem, lubrificação, etc). Outros custos podem aparecer, como o custo da vaga para estacionamento da moto na residência do proprietário e por aí vai. Além desses custos "fixos", que acontecerão quer o usuário ande na moto ou não, temos os custos variáveis.

O principal custo variável é o consumo de combustível mas existem outros com o consumo de óleo para o motor, o consumo de pastilhas de freio, o consumo da coroa, da corrente e do pinhão da transmissão (quando for o caso). Obviamente, o custo variável será tanto maior quanto mais a moto andar. Mas ao mesmo tempo em que o custo variável aumenta o custo total, ele diminui o custo fixo por km rodado pois diluirá esses custos a cada novo quilômetro adicionado ao odômetro.

Para facilitar a conta, elaborei uma planilha que calcula o custo da moto a partir de dados informados pelo dono. A planilha é simples é baseada em valores que o dono da moto vai colocar.

O primeiro valor a colocar é o preço da moto hoje em dia. Esse preço da moto será usado em duas contas: O cálculo do IPVA e o cálculo da depreciação.

O segundo valor é o preço da moto daqui a um ano. A maioria das motos desvaloriza de um ano para outro. Essa desvalorização é um dos principais custos de propriedade. Isso é particularmente cruel nas motos 0km que desvalorizam muito no primeiro ano (entre 20 a 30%). Marcas de moto com reputação ruim também desvalorizam bastante. Se a moto valorizar de um ano para outro (raro mas acontece) tanto melhor ! O custo de propriedade da moto será diminuído.

Agora informamos o valor do seguro. Se o dono não fizer seguro, é só zerar esse valor.

Em seguida informamos 4 valores relativos a manutenção:

 

  • pneus,
  • óleo,
  • transmissão
  • e freios.

 

A ideia aqui é colocar quanto custa uma troca desses itens e quantos quilômetros eles duram.

De posse desses números saberemos quanto custa por km rodado cada item desses.

Finalmente, vamos informar quantos quilômetros a moto vai rodar por semana, qual o consumo da moto e quanto é o litro de combustível. De posse desses números vamos saber quantos reais serão gastos com combustível por quilômetros rodado. A planilha então calculará quanto cada quilômetro gasta e fará a estimativa de quanto o dono irá pagar por semana, mês e ano para ter a moto.

Ficou fora dessa conta o valor da prestação do financiamento ou do consórcio. Esse valor não faz parte do custo da moto e sim do valor da moto. Seu custo na verdade é apenas os juros pagos do financiamento ou a taxa de administração do consórcio. O valor do principal e o valor do bem não são custo. Essa conta não é trivial de fazer e foge do objetivo dessa versão da planilha. Experimentem e me digam o que acharam.

 

Última atualização em Ter, 01 de Maio de 2012 13:24
 
Financiamento ou Consórcio ? PDF Imprimir E-mail
Escrito por Bokomoko   
Sáb, 25 de Fevereiro de 2012 10:23

Quando vamos comprar uma moto uma das perguntas mais frequentes é exatamente essa. Qual é o melhor ? Comprar uma moto financiada ou fazer um consórcio ? Obviamente, essa pergunta só é feita por quem não tem a grana para comprar a moto a vista. O jeito é parcelar o pagamento da moto, mas como ? 

Primeiro vamos entender como funcionam esses sistemas de parcelamento da moto.

 Financiamento

No financiamento, um banco empresta o dinheiro para você pagar a moto. A loja que vende a moto para você recebe a grana a vista e ainda recebe uma comissão pela "venda" do financiamento. Portanto, negocie bem o preço de compra da moto e saiba que a loja da moto vai ganhar uma grana legal nesse negócio.

Como todo dinheiro emprestado, esse dinheiro vai pagar juros. As taxas de juros praticadas hoje em dia (fevereiro de 2012) no Brasil oscilam entre 1,9% até 3,5% e são altíssimas. Vejamos um exemplo de compra financiada. Uma moto Yamaha XTZ 250 Lander que na loja sai a vista por R$ 12.300,00 pode ser comprada financiada sem entrada. Suponha uma taxa de 2,5% ao mês e um prazo de 36 meses então teremos uma prestação de R$ 522,15. No total,  R$ 18.77,40, ou seja, 52,82% a mais do valor original da moto.

Consórcio

No consórcio é diferente. Um grupo de pessoas se junta para comprarem de forma cooperada o bem. Voltemos ao caso da Lander. Se queremos um prazo de 36 meses, juntamos 36 pessoas para comprar a moto. Cada uma dessas pessoas vai pagar 1/36 do valor da moto. No caso R$ 12.300,00 divididos por 36 dá R$ 341,66. Sai bem mais barato do que os R$ 522,15 do financiamento e aí está a vantagem do consórcio (mais detalhes adiante). Bom, cada uma das pessoas pagou o valor que lhe cabe, de forma igual. O grupo então terá todo mês dinheiro suficiente para comprar uma moto. A pergunta agora é "Quem vai levar a moto primeiro" ? Qual dos 36 membros do grupo vai levar a moto no 1º mês ? Essa pergunta é resolvida através de um sorteio. Quem for sorteado leva a moto. Uma coisa que precisa ser esclarecida é que o sorteio é só para definir quem leva a moto primeiro. Não significa que o sorteado não vai mais pagar nada. Ele continuará pagando as prestações restantes normalmente pois a contribuição dele será necessária para comprar as motos para as outras 35 pessoas. Tem gente que pensa que o sorteio quita a moto. Não é verdade. No mês seguinte, todo os 36 membros pagam a sua mensalidade, o grupo compra outra moto e sorteia entre os 35 membros restantes quem vai levar a moto. Esse processo é repetido 36 vezes, mensalmente, até todo os 36 membros receberem as suas motos.  Ok ! Já entendemos o sorteio, mas e como funciona o lance ? Para agilizar a entrega das motos, faz-se grupos com o dobro de pessoas. Assim, num plano de 36 meses faz-se um um grupo com 72 pessoas. Cada uma dessas pessoas paga 1/36 por mês e o grupo arrecada o suficiente para comprar DUAS motos por mês. Uma das motos será entregue a quem for sorteado e a outra moto será entregue a quem der o lance maior. O que é o lance ? O lance é uma promessa que um dos membros faz de ANTECIPAR o pagamento da moto. Quem antecipar mais então vai receber a moto antes dos outros. Suponha que no mês o lance vencedor foi de R$ 5.000,00. O grupo tem duas motos pagas para entregar e mais R$ 5.000,00 sobrando que são guardados numa poupança ou aplicação financeira. Suponha que no mês seguinte o lance vencedor seja R$ 4.000,00, esse valor é adicionado a poupança e aos rendimentos. No outro mês, um lance de R$ 3.500,00 vence .. opa .. olha só que interessante R$ 5.000 + 4.000 + 3.500 dá R$ 12.500,00 !! É o suficiente para comprar uma terceira moto nesse mês ! Quem leva essa moto ? O segundo lance maior ! Então nesse mês, o grupo tinha caixa suficiente para comprar 3 motos ! Acelerou a entrega em um mês, concorda ? O consorciado que pagou o lance, antecipou as mensalidades. Isso significa que o cara que deu um lance de R$ 5.000,00 adiantou algo perto de 11 parcelas e pagará apenas outras 25.  É assim que o consórcio funciona, basicamente.

Essa explicação simplificada tem fins didáticos. Na vida real, as administradoras de consórcio cobram uma taxa de administração para organizar essa suruba toda, cobrar dos membros as prestações, fazer o sorteio, tomar conta do dinheiro e obviamente remunerar o trabalho. Além da taxa de administração, as administradoras de consórcios cobram um seguro (para o caso do consorciado morrer antes de concluir o pagamento) e criam um fundo de reserva para cobrir o eventual atraso ou não pagamento da mensalidade. Somando tudo isso, o valor da prestação do consórcio fica maior do que 1/36 avos. No caso da Yamaha Lander, por exemplo, a prestação é de R$ 439,92, segundo o consórcio Yamaha. Comparada com o valor de R$ 341,66 equivale a um aumento de 28,27% porém ainda é bem menor do que os R$ 522,15 do financiamento... interessante.

Qual é o melhor ? Financiar ou fazer o consórcio ? 

A principal vantagem do financiamento é que você leva a moto na hora. Você fecha o negócio e sai com a moto. No consórcio você não sabe com precisão quando vai receber a moto. Depende do sorteio. Você pode tentar não depender do sorteio dando o lance. Vamos então comparar o lance com a entrada no financiamento.

Imagine que nosso herói, comprador pretenso da Lander, tem R$ 4.000,00. Ele pode usar essa grana como entrada no financiamento ou dar lance num consórcio. Qual é o melhor ? Façamos as contas.

Se ele der os 4 mil de entrada, vai precisar financiar apenas R$ 8.300,00 portanto a prestação cai de R$ 522,15 para R$ 352,25 nos mesmos 36 meses. Já a prestação do consórcio continua o mesmo valor.

No total, a moto financiada terá custado R$ 4.000,00 de entrada mais 36 x R$ 352,25 = R$ 16.684,60 ou seja, 35,64% mais caro que a vista.

No consórcio, se ele der os R$ 4.000,00 de lance significa que 9 parcelas serão antecipadas então a moto é quitada em apenas 27 meses. É preciso observar que o lance aumenta as chances de tirar a moto na hora mas não é uma garantia de que isso irá acontecer. Existe o risco da moto não sair. Porém, o lance só precisa ser pago se ele for o vencedor. Nosso herói pode tentar o lance de 4000 e se não ganhar, deixa ele na poupança, rende uma graninha, junta mais outra graninha e no mês que vem ele tenta de novo. A desvantagem de não saber se a moto sai esse mês ou não é diminuida mas não é abolida. Se existe o risco dele demorar a receber a moto, com o lance esse risco diminui. Por outro lado existe também o risco dele ser sorteado sem dar lance algum ! Esses 4000 ele pode usar para fazer outra coisa. 

Uma terceira forma de comprar parcelado

Existe uma terceira forma de pagar a moto chamada Poupança. Imagine que nosso herói deposita na poupança os R$ 4.000,00 que daria de entrada e disciplinadamente, todo mês, deposita o valor que pagaria no financiamento, no caso,  R$ 352,25. Em apenas 22 meses o nosso herói terá a grana para a moto a vista ! Ou seja, 14 meses antes do prazo do financiamento. No total, terá pago R$ 11.751,70 em vez dos R$ 16.684,60 do financiamento. Uma economia de R$ 4.932,90 !!! Quase cinco mil reais !!! Praticamente 40% do valor da moto !

 Se ele depositar os R$ 4.000,00 que daria de lance e depositasse a mensalidade que daria ao consórcio, em apenas 18 meses teria o valor da moto a vista.

Só tem um problema ... ele só recebe a moto depois desses 22 ou 18 meses.

Faça você sua simulação

E no seu caso ? qual é o melhor ? Como decidir ? Não existe uma resposta que sirva para todo mundo. Vai depender de várias coisas:

 

  1. Para quando você precisa da moto ? Imediatamente ? Pode esperar ? O prazo pode ser indeterminado (consórcio) ou pode ser fixo (poupança) ? Quanto mais rápido, melhor o financiamento, quanto mais demorado, o consórcio ou até mesmo a poupança.
  2. Quanta grana você tem para dar de entrada, de lance ou depósito inicial da poupança ? Quanto maior for a entrada, melhor financiar, quanto menor, melhor fazer o consórcio ou a poupança.
  3. Qual o valor da prestação que você pode pagar mensalmente sem comprometer demais a sua renda ? 
  4. Qual a taxa de juros que você consegue junto ao banco ? Quanto menor a taxa, melhor financiar, quanto maior a taxa, melhor fazer o consórcio ou a poupança
  5. Você tem renda variável ? pode ganhar um extra de vez em quando ? Quanto mais variável, melhor a poupança. Quanto mais fixa melhor o financiamento.
Para fazer a simulação, use essa planilha em excel que eu fiz. A planilha é bem autoexplicativa mas se tiver alguma dúvida, não hesite em perguntar. 
 
 

 

 
Coisas a observar na hora de comprar uma moto usada PDF Imprimir E-mail
Escrito por João Eurico de Aguiar Lima   
Seg, 05 de Outubro de 2009 09:28
Coisa a observar quando se compra uma moto usada:
1 - Procedência. Quem é o dono ? porque está vendendo ? A documentação está em ordem ? Tem alienação fiduciária ? Tá quitada ou ainda falta parcela ? Quem está vendendo é de fato o dono no papel ? Tem muitas multas ? Está licenciada ? IPVA em dia ?

2 - Chassi/quadro: Fique a uns 5 metros de distãncia de frente para a moto, coloque-a em pé e verifique, olhando por baixo, verifique se a roda traseira está alinhada com a roda dianteira. Repita o processo do lado de traz. As rodas tem que estar completamente alinhadas.

3 - Aparência geral. Verifique por arranhões/amassos no tanque, nos manetes, nos manicotos, nas pedaleiras. Verifique se os pedais de freio e marcha estão empenados ou se a tinta esta descascada nas curvas. Pode ter sido empenado/desempenado e a tinta lascou. Verifique as luzes, piscas, couro do banco.

4 - Motor: com o motor frio, veja se pega de primeira. Se tiver pedal de partida, experimente-o. Veja se tem algum vazamento de óleo no cabeçote ou no bloco do motor. Veja a cor do óleo do motor. Acelere mas sem abusar e ouça se o motor engasga ou se faz algum barulho diferente, se vibra de forma descontrolada em baixa rotação.

5 - Escape. Se a moto tiver um escape só, ligue o motor e tape a boca do escape com a sola do seu sapato. Veja se o barulho fica completamente abafado (bom sinal) ou se faz barulho de gas vazando por algum outro lugar. Se a moto morrer logo em seguida, desista. Veja se faz fumaça quando acelera/desacelera. Se pingar qualquer coisa do escape, desista (a não ser que seja moto 2 tempos).

6 - Direção. Verifique se os punhos do guidão estào na mesma altura, um em relação ao outro. Veja se os comandos estão funcionando diretinho. Se a moto tiver cavalete central, suspenda a moto nele, levante a roda dianteira colocando o peso no banco/roda traseira. Gentilmente esterce o guidão para um lado e para o outro e tente ver se ele gira macio ou se tem algum "ressalto". Se tiver, desista. Pode ser rolamento da coluna do guidào e isso é bronca.

7 - Pneus. Verifique se os pneus estão muito carecas. Pelo preço que custam, o estado do pneu pode ser a diferença entre um bom e um mau negócio. Verifique se o desgaste é regular, verifique se tem algum calombo, corte, mordida, furo, mancha, protuberância, cheiro ruim, mau hálito (ops... isso é para estado de mulher, desculpa).

8 - Elétrica. Verifique se tudo funciona, luzes, piscas, buzina, alarme. Se tiver alarme, pergunte quem instalou. Se não tiver alarme, pergunte se já teve e ele tirou ou porque nunca teve e ele não colocou. Verifique a partida elétrica, se houver. Deve funcionar de primeira.

9 - Suspensão. Verifique as bengalas da suspensão dianteira se estão meladas de óleo. Se estiverem sujas, é normal, mas se estiverem meladas mesmo, é bronca. Desista. Use um papel higiênico e depois de verificar o estado in natura das bengalas, limpe-as. Em seguida, monte na moto, freie a roda dianteira e force a suspensão várias vezes, para frente e para traz. Volte a examinar as bengalas em busca de vazamentos. Se vc sentir que a suspensão dianteira está estranha, desista. Faça o mesmo na suspensão traseira mas é mais dificil limpá-la porque se for bishock vai ter as molas atrapalhando e se for monoshock fica escondido. Mesmo assim, procure por vazamentos. Se fizer algum rangido maior ou algum estalo, desista.

9 - Freios. Verifique se os discos estão riscados e se as pastilhas estão muito gastas. Veja se os discos estão alinhados, girando a roda devagarzinho e comparando o disco com as pinças. Veja se os cabos de freio ou os tubos hidráulicos estào limpos. Bombeie ambos os freios e procure vazamentos. Se o freio traseiro for a tambor, verifique se ele faz algum barulho de arranhado.

9 - Andando com a moto procure um lugar plano e liso, sem buracos, sem muito movimento. Acelere até uns 40 ou 50 km/h e solte as màos do guidão. Se a moto balançar ou desviar para algum lado, desista. A moto tem que manter a linha reta sem maiores dificuldades. Acelere e desacelere trocando as marchas rapidamente, faça umas reduzidas e veja se alguma marcha escapa. Se escapar, desista. Verifique se a moto engasga. Freie com veemência e veja se a moto range ou se se desloca muito o peso para a frente. Ande numa rua de paralepípedo ou com buracos e teste a suspensão.

9 - Soldas, remendos, arranhòes são normais em qualquer moto. Uma moto que levou um tombo não pode ser condenada. Mas uma moto que levou um tombo e um ônibus passou por cima, nunca mais vai ser a mesma. Procure por soldas no quadro e/ou bandeja de suspensão. Se for coisa boba (alça de bagageiro), tudo bem. Se for no meio do quadro, desista.

Lembre-se que problemas de acabamento (piscas quebrados, buzinha arranhada, tanque amassado) dá para consertar facilmente. Porém, um motor vazando óleo ou um guidão tremendo a média velocidade é bronca séria que requer uma grana alta para consertar.
Última atualização em Dom, 14 de Fevereiro de 2010 09:26
 
Financiamento ou Consórcio ? PDF Imprimir E-mail
Escrito por Bokomoko   
Sáb, 25 de Fevereiro de 2012 08:52
No financiamento, o banco empresta a você o dinheiro para você comprar a moto. Você paga juros, que estào caríssimos. Você acaba pagando mais outra moto. Imagine que uma Biz 125 ES custa algo em torno de R$ 5.200,00 Com os juros de 2,3 a 2,5% ao mês, se você financiar em 48 meses vc vai pagar algo em torno de R$ 183,92 (é mais um pouco porque vc paga umas taxas de crédito, cobrança, dá uns 190 reais/mês. Ou seja, vc terá pago ao final de 48 meses = 48 * 183,92 = 8.813,00 ou seja, 77% a mais do que o valor original da moto. É quase outra. A vantagem é que você compra a moto, sai andando e só paga a primeira prestaçao 30 dias depois da data da emissão da NF. No consórcio é diferente. Quem "financia" a moto são os próprios participantes do consórcio. Então para pagar em 48 meses é preciso 48 otár.. quer dizer ... consorciados. Todo mês, os 48 best .. quer dizer, consorciados pagam 1/48 avos do valor da moto. Com essa grana a administradora do consórcio compra uma moto e sorteia entre os membros do grupo. Por esse serviço de organizar o grupo e tal, a administradora cobra 20% do valor do bem, dividido pelas 48 prestações. Isso signfica que o bem que custa R$ 5.200,00 será acrescido em 20% e dividido em 48 prestações. Ou seja, 48 x 130,00, bem mais barato. O problema é que vc paga e arrisca não ser sorteado tão cedo. A rigor, um dos consorciados vai pagar 48 prestações antes de receber a moto. Mas tem o lance também. Os grupos são formados pelo dobro de membros equivalentes ao prazo. Se o prazo é de 48 meses, o grupo é de 96 pessoas, portanto, a administradora arrecada dinheiro suficiente para pagar DUAS motos. Uma sai pelo sorteio. A outra vai sair para quem der o lance mais alto. O lance funciona como uma antecipaçao das parcelas. Assim, se você der um lance de R$ 1.300,00 vc estará antecipando algo em torno de 10 parcelas. Em vez de 48 vezes, vc pagará 1300 + 38 vezes, quitando a moto mais cedo. COm essa grana adicional, a administradora de consórcio faz um fundo de caixa e as vezes consegue até pagar uma terceira moto, embora não seja obrigada a tal. Em suma, financeiramente, o consórcio hoje em dia é muito mais interessante do que o financiamento. Com as taxas de administração do consórcio em torno de 20%, o financiamento só fica interessante financeiramente se os juros cairem abaixo de 1,08% ao mês. Bem longe das taxas praticadas hoje em dia. Se você tem uma grana alta para dar lance e pode esperar caso seu lance nao seja contemplado, faça consórcio. Se você precisa urgentemente da moto, faça financiamento (e pague mais caro). Mas vc não quer dar dinheiro a toa para ninguem, então existe uma terceira alternativa : Poupança !!! Para vc comprar um bem de R$ 5.200,00 vc só precisa depositar mensalmente R$ 93,24 durante 48 meses, com o rendimento médio da poupança em torno de 0,6% ao mês. Vc terá desembolsado 4.457,00 !!! E terá comprado 5.200,00 !! é o melhor negócio. Você terá os R$ 5.200,00 reais para comprar a moto a vista e pode até conseguir um desconto levando o dinheiro vivo a loja. Só tem um problema, leva 48 meses para vc receber o bem, 4 anos. Resumindo Financiamento 48 x 183,62 = 8.813,73 - pago a mais R$ 3.613,73 Consórcio 48 x 130,00 = 6.240,00 - pago a mais R$ 1.040,00 Poupança 48 x 93,24 = 4.475,52 - pago a MENOS R$ 724,48 Se você pode pagar a prestação do financiamento, de 184 reais por mês, aí acontece um fenömeno interessante. Suponha que em vez de pagar os 184 para o financiamento, vc depositasse a grana na poupança. Em vez de pagar 48 vezes, vc pagaria apenas 26 vezes !!!! Ou seja, praticamente a metade do tempo !!!
Última atualização em Sáb, 25 de Fevereiro de 2012 08:56
 
Vendas de motos em Julho de 2010 PDF Imprimir E-mail
Escrito por João Eurico de Aguiar Lima   
Sex, 20 de Agosto de 2010 11:14

Olha uma breve análise dos dados de licenciamento obtido 
na FENABRAVE 

Entre as 10 motos mais vendidas, 7 são Honda. Num tem nem 
o que discutir em termos de liderança. 


1 - Apesar das críticas contra a XRE 300, ela vende 4 
vezes mais do que a Lander !!! Ou seja, é um sucesso. As 
chances da Honda lançar uma 250 são nulas diante disso. 

2 - A Ninja 250, apesar de lançada depois, vende mais do 
que o dobro que a Kasinski 250 

3 - A Yamaha Cripton foi um sucesso. Já é o terceiro 
scooter mais vendido, perde apenas para Biz e POP e mais 
que o dobro que o Burgman, que já havia perdido o 
terceiro lugar para o Lead. No acumulado Cripton ainda 
está lá atraz mas deve subir. 

4 - A Kawasaki acertou no lançamento da ER6. Alias, a ER 
6 já vendeu mais que a XJ em alguns meses. A qualquer 
momento pode ultrapassá-la. A Z750 já vende mais que a XJ 
e até mais do que a antiga Fazer vendia. Mais uma vez a 
Yamaha pisou na bola e caiu do segundo para o terceiro 
lugar na categoria naked de 600/750 cc. A Hornet continua 
vendendo o dobro da segunda colocada porém já não tem 
mais 50% da categoria. 

5 - A Bandit 1250 vende mais do que a 650 !!! Pelo preço 
de uma Hornet 600 dá para comprar uma 1250 da Suzuki. 
Novamente a lógica não funciona e Honda continua líder 
vendendo uma moto inferior e mais cara. 

6 - Ainda tem GS500 e Fazer 600 vendendo por aí. Quem 
encontrar, recomendo comprar porque devem estar muito 
baratas por estarem fora de linha mas são excelentes 
motos. 

7 - A vendas de CB 1300 estão praticamente zeradas. A 
promoção de CB 1300 2008 0km deve ter detonado o estoque 
e agora ninguem mais compra. 

8 - A BMW G650 já vende mais que a DL 650. Era de se 
esperar pelo preço caríssimo da DL 650 comparado com a da 
BMW. A G650 tá em segundo, perde para a XT 660 que ainda 
reina absoluta com 33% do mercado. 

9 - A XVS 950 da yamaha venda mais que a Shadow 750 da 
Honda. Em julho vendeu o dobro. 

10 - Somando os 4 modelos de Harley Davidson entre os 10 
mais vendidos de custom, a HD lidera a categoria ! 
Surpreendente. A Yamaha com uma moto só fica em segundo 
assim como a Honda que fica em terceiro. A Suzuki com 2 
motos (Boulevard 800 e 1500) fica apenas em quarto. A 
Kansas 150 da Dafra e a Mirage 250 da Kasinski aparecem 
na lista mas são pequenas, por isso consideraria outra 
categoria. Detalhe, a Kansas 150 vendeu 4257 em 2010, ou 
seja, ficaria em 9o lugar nas motos nacionais. 

11 - A Apache foi a 7a mais vendida na categoria no mês 
de julho, nada mal. No acumulado do ano já está em 9o 
lugar. Essa moto deu certo. Detalhe, pelo jeito teve 
canibalismo na Dafra pois a Speed 150 e a Hunter 100 
venderam menos. Faz sentido. A Apache é superior a Speed 
mas a marca não é superior a H/Y/S. 

12 - No segmento trail a NXR 150 Bros domina de forma 
absoluta com mais de 75% do mercado só dela. Nem se 
combinarmos as duas CG (125 e 150) que dá 70%. Na 
categoria trail de baixa cilindrada a Honda tem domínio 
total pois além da Bros 150 ainda tem a XRE300 e juntas 
dão mais de 86% da categoria. Se somar as 3 da Yamaha (a 
125 e as duas 250) num dá o que XRE300 vende. Honda é 
Honda, né. Detesto essa frase mas o domínio nas trail 
pequenas é incontestável. A Tornado, que saiu de linha 
faz quase um ano ainda vende mais que Kasinski 150 !!! 
Ponta de estoque de Tornado por aí. 

13 Nas Big Trail, as GS 1200 R da BMW, caríssimas, vendem 
mais que as Varadero da HOnda. Curioso. A Varadero por 
sua vez vende MUUUUUITO mais do que a DL 1000 da Suzuki, 
que é quase 8 mil reais mais barata.
Última atualização em Sex, 20 de Agosto de 2010 11:17
 
«InícioAnterior12PróximoFim»

Página 1 de 2
 

Quem está online

Nós temos 7 visitantes online

Pesquisa